“Braga, a perspectiva de uma comunidade inteligente e sustentável”

OficialBlog

“Para construir uma cidade sustentável, que fique de legado para as gerações futuras, há uma visão a edificar, a trabalhar e a atingir.


Não existem receitas unânimes, absolutas, que transformem uma Cidade numa Smart City. Existem especificidades e dinâmicas próprias que carecem de interpretações e acções de governação adaptadas às especificidades locais.

Braga é, na actualidade, o terceiro maior aglomerado urbano do território nacional. Com um papel central do ponto de vista administrativo, académico e no âmbito da dinamização económica de toda uma região, Braga é uma referência no empreendedorismo e inovação, destacando-se nos investimentos visionários e no acolhimento de ideias jovens e inspiradoras.

Inovadora, é eleita em 2012 como a Capital Europeia da Juventude. Braga é uma cidade de cultura e tradições, onde se destacam a indústria tecnológica e o ensino universitário.

Quando nos referimos a sustentabilidade, sabemos que o caminho é definido pela regra de equilíbrio entre factores ambientais, económicos e socais. Aqui, especificamente em Braga, e por fruto da nossa história e do nosso património, acrescentaremos sempre um quarto pilar essencial a esta versificação, ou seja, a componente patrimonial.

Em Braga a perspectiva de presente e futuro é e deverá ser, sempre, a existência de pessoas felizes. O “utilizador” da Cidade é quem nela habita, trabalha, estuda, visita, se diverte e consome. Esta visão formula um modelo de gestão e de futuro.

Como uma comunidade sustentável, ao nível ambiental, Braga projeta soluções de ordenamento de espaço urbano, de mobilidade, do edificado e de ‘utilities’ que lhe permitam reduzir o desperdício e aumentar a eficiência.

Sob o ponto de vista social, Braga visa integrar todos os grupos sociais nos benefícios do crescimento económico, evitando a exclusão, evitando assim graves consequências ao nível da segurança, da qualidade de vida e da competitividade.

No âmbito cultural, Braga visa garantir o máximo respeito pelo património construído, preservando-o e reabilitando-o para novos usos, mas também deve procurar enaltecer e perpetuar as suas tradições, motivo de orgulho dos seus habitantes.

Ao nível económico, Braga procura eliminar as externalidades que geram custos para as empresas, para as famílias e para a administração pública. O desafio é equilibrar uma economia tecnologicamente evoluída para que esta seja compatível com os fatores ambientais, sociais, económicos e culturais.

A mobilidade tem impacto direto sobre a saúde e a qualidade de vida das pessoas e sugere novas formas de pensar e agir. Atualmente não podemos dissociar o impacto económico da mobilidade no ‘fazer cidade’. Criar 76 quilómetros de ciclovias e introduzir o Bus Rapid Transit (BRT) são objetivos que a Câmara Municipal de Braga vai concretizar.

É fundamental que as cidades do presente se determinem como um produto de atractividade num universo cidadãos que procuram o melhor lugar para viver, trabalhar e/ou investir. Os territórios extravasam, cada vez mais, os seus limites, superando a sua escala e agrupando-se consoante os seus interesses e as suas necessidades estratégicas.

Em 2025, Braga será uma cidade sem fronteiras, sem barreiras e acessível a todos. Braga terá uma melhor imagem, um centro urbano renovado, economicamente vivo, com o seu património valorizado, sendo motivo de forte orgulho para os Bracarenses e reconfortante para quem a visita.

A população terá melhor qualidade de vida, será sensível à valorização ambiental, suportada por uma mobilidade integrada e sustentável. Existirá uma forte ligação da população universitária ao centro da Cidade e será exemplo de apoio à criatividade, empreendedorismo e iniciativa, capaz de promover a fixação da população jovem no Concelho e de atrair novos residentes e novos públicos.

Braga é o centro de uma região que se pretende afirmar enquanto Pólo de atração de dimensão internacional no domínio das comunidades inteligentes e sustentáveis, estimulando a ligação Norte de Portugal – Galiza.

Neste contexto vamos realizar em Braga o FICIS – Fórum Internacional das Comunidades Inteligentes e Sustentáveis, que será fator de promoção no desenvolvimento de parcerias, numa lógica de rede entre empresas, promovendo sinergias e dinâmicas de negócio.

O FICIS apresentará uma visão integrada e transversal das principais áreas no domínio das Comunidades Inteligentes e Sustentáveis: Energia, Mobilidade, Sustentabilidade, Tecnologia e Inovação, Governança, Segurança, Regeneração Urbana e Economia.

Será um ponto de encontro para especialistas, líderes de opinião e decisores que partilham os mais recentes desenvolvimentos, resultados e estratégias orientados para o futuro das empresas, centros de investigação, universidades e instituições.

O FICIS é uma excelente plataforma de networking que promove a colaboração de diferentes áreas, saberes e perspectivas futuras, que contará com áreas de exposição para mostrar e experimentar novos produtos, que estão a liderar a mudança no domínio das dinâmicas contemporâneas orientadas para o futuro; sessões plenárias inseridas nos domínios das estratégias da europa no âmbito do quadro comunitário de apoio para o horizonte 2014-2020 assim como com a presença de especialistas no domínio das Smart Cities e empresários com os meios necessários para transformar ideias em realidade.

A participação, reflexão e análise sobre o potencial das Smart Cities é um desafio que lançamos a todos os cidadãos. Porque, afinal, as Smart Cities não podem existir sem Smart Citizens.”

in Smart Cities #4, 04/02/2015