“Autocarros de Braga com mais 500 mil pessoas”

No ano passado foram transportados 12,4 milhões de passageiros.
Parquímetros renderam 59,5 mil euros no primeiro mês de gestão pelos TUB.

Transportes
No último ano, os autocarros dos Transportes Urbanos de Braga (TUB) transportaram 12,4 milhões de pessoas, mais cerca de 500 mil do que em 2018. Trata-se de um crescimento de 3,99‰ no número de passageiros, que resultou na venda de 6,5 milhões de euros de títulos. Incluindo os alugueres das viaturas, os TUB faturaram 7,2 milhões de euros, o que contribuiu para acabar o ano com um resultado líquido de quase 54 mil euros.


De acordo com o administrador, Teotónio dos Santos, uma das linhas “mais estruturantes” da empresa é que faz ligação entre os centros comerciais Minho Center e o Nova Arcada, com registo de mais de um milhão de pessoas, no último ano. “Uma linha que em apenas quatro anos atingiu este número de utilizadores é a demonstração da correspondência entre o serviço prestado e as necessidades concretas dos bracarenses”, afirmou o presidente da Câmara de Braga, Ricardo Rio, sublinhando que, desde 2014, os utilizadores não tê, custos acrescidos com os transportes públicos. Aliás, no último ano, fruto do programa de apoio à redução tarifária, houve uma redução de 16% nos passes. Este ano, o decréscimo nos custos chega aos 30% para a primeira coroa, que engloba nove freguesias.

Ao todo, no último ano, os autocarros dos TUB percorreram 6,1 milhões de quilómetros, tendo prestado mais de 399 mil horas de serviço público. Em 64 dias do ano ultrapassaram mesmo os 50 mil passageiros transportados num só dia.

Dado
592 363 viagens realizadas pelos Transportes Urbanos de Braga, em 2019. Efetuaram 99,91% dos serviços. Falharam 510 viagens.

Plataformas rendem
A gestão do estacionamento pago à superfície também já deu frutos. Só no primeiro mês, em parquímetros, a empresa faturou 59,5 mil euros.

Receberam, ainda, 3100 euros na aplicação “Via Verde Estacionar”, 240 euros na aplicação “iParque” e quase 23 mil euros em multas por falta de bilhete.