Braga reorganiza estacionamento e aposta em transportes coletivos e ecológicos

A estratégia de combate ao trânsito desordenado em Braga passa pela reorganização do estacionamento. Apostado em impôr ordem nos parqueamentos, o Município entregou aos Transportes Urbanos de Braga (TUB) a gestão do estacionamento pago à superfície.

O objetivo é matar dois coelhos de uma cajadada, reinvestindo a receita na renovação da frota dos TUB e incentivando os transportes ecológicos.

O s Estacionamentos Urbanos de Braga (EUB) assumem, em dezembro a gestão do estacionamento de superfície em Braga, passando a fiscalizar um total de 1800 lugares de estacionamento pagos, em 44 ruas.

A nova área de atuação dos TUB permitirá não apenas libertar a Polícia Municipal de Braga para outras solicitações, mas sobretudo traduzir-se-á no aumento das receitas dos TUB, permitindo arrecadar 500 a 600 mil euros por ano, que serão investidos na melhoria dos serviços de transportes públicos, numa lógica que o Município de Braga pretende que seja de incentivo à mobilidade urbana sustentável. Para estacionar nos espaços concessionados pelos EUB os bracarenses vão passar a pagar uma tarifa de 80 cêntimos por hora, o que representa uma diminuição de 20 cêntimos face à anterior concessão, da responsabilidade da ESSE.

A mudança será ainda sustentada por outras novidades, como a abertura de um novo espaço da empresa, na Praça Conde de Agrolongo, que foi apresentado esta semana, e pela simplificação do sistema de pagamento, que poderá ser efectuado através da aplicação “Via Verde” e, brevemente, por uma aplicação desenvolvida pelos EUB para o efeito.

O administrador dos TUB, Teotónio dos Santos, revelou que antes de avançar a equipa realizou todo um trabalho no terreno, que incluiu o levantamento das necessidades. Para breve está igualmente uma modernização do processo de digitalização, agilizando a gestão das avenças dos moradores, dos comerciantes e dos veículos elétricos.

De resto, o incentivo à mobilidade sustentável é um dos benefícios deste “pacote” da responsabilidade dos EUB, que mantém o valor das avenças para comerciantes e moradores, mas traz como novidade o pagamento de uma avença simbólica, de 12 euros anuais para os que se deslocam para o centro da cidade e ali pretendem estacionar uma viatura 100% elétrica.

O sistema permitirá também que os comerciantes do centro ofereçam aos seus clientes descontos no tempo de estacionamento, num incentivo à economia local.

Teotónio dos Santos lidera uma equipa motivada para a concretização de um projeto que implicou, nesta fase, a contratação de cinco pessoas.

«Pensamos que com a melhoria da gestão do estacionamento e uma maior fiscalização, aliada ao progresso da oferta do transporte público, geraremos uma mudança para melhor na fluidez do trânsito», afirmou o administrador.