“TUB com novos autocarros até ao Verão”

Candidatura para aquisição de 32 novos autocarros foi aprovada. Investimento total ultrapassa os 10 milhões de euros.

Os Transportes Urbanos de Braga receberam autorização para adquirir 32 novas viaturas.

Foi aprovada a candidatura para a renovação da frota de veículos de serviço público, pelo Programa Operacional para a Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR). Tinha sido submetida em Outubro e corresponde ao 2.º aviso do programa para a aquisição de veículos eficientes e eco sustentáveis, enquadrando-se na estratégia definida pela empresa municipal.

O investimento total da operação, que globalmente ascenderá aproximadamente os 10 milhões de euros, contará com uma comparticipação do Fundo de Coesão em cerca de 3,6 milhões de euros e que permitirá a aquisição de 32 autocarros com superior eficiência e eco sustentabilidade, assegurando os melhores níveis de sustentabilidade e performance ambiental dos serviços prestados no transporte colectivo de passageiros em Braga, pode ler-se no comunicado enviado à RUM pela autarquia bracarense.

Apesar da luz verde, o processo não será imediato. Entretanto a empresa municipal precisa de se financiar na banca.

Projecto é para executar este ano e no próximo de forma faseada

Em declarações à RUM esta segunda-feira, Teotónio Santos, administrador dos TUB, reconheceu que se trata de uma boa notícia, vista pela empresa “com muito bons olhos” tendo em conta a sua estratégia de renovação de frota para os próximos anos. “No fundo é a renovação da nossa frota que está em causa: são mais 32 autocarros, 7 eléctricos e 25 a gás natural, mais a estação de enchimento de apoio ao gás natural e mais sete carregadores eléctricos”, constata Teotónio Santos que ressalva que “é um projecto a executar este ano e no próximo”.

O POSEUR financia o diferencial entre o custo de um veículo a diesel normal e o valor de um veículo ambientalmente mais eficaz, ou seja, os veículos eléctricos e as viaturas a gás natural. O co-financiamento associado aos sete autocarros eléctricos correspondeu a uma taxa de co-financiamento de 76,82%, enquanto o co-financiamento associado aos 25 autocarros movidos a GNC e aos restantes investimentos, designadamente as infra-estruturas, correspondeu a uma taxa de co-financiamento de 85%.

Empresa municipal precisa agora de se financiar junto da banca

“Temos que nos financiar para pagar o remanescente. Estamos ainda a fazer contas e precisamos de nos financiar junto da banca para poder financiar o projecto”, acrescentou Teotónio Santos.

Segundo as estimativas do administrador dos Transportes Urbanos de Braga, até ao Verão “Braga deverá contar com mais autocarros novos”.

@RUM – Rádio Universitária do Minho, 4 de fevereiro de 2019