Mobilidade no quadrilátero “tem de ser uma realidade”

Mobilidade no quadrilátero “tem de ser uma realidade”

PRESIDENTE DO IPCA, Maria José Fernandes, reclamou, ontem nos TUB, uma “mobilidade mais rápida” entre os concelhos do quadrilátero. Há vontade política, falta agora a concretização.

A falta de uma rede de transportes entre os municípios do quadrilátero continua a ser a ‘pedra de toque’ do Instituto Politécnico do Cávado e Ave (IPCA). A presidente da instituição, Maria José Fernandes, acredita que “há vontade política para resolver a questão da mobilidade, mas tem de ser uma realidade”.

Maria José Fernandes, que falava ainda durante a iniciativa ‘Pequeno Almoço com…’, promovida pelos Transportes Urbanos de Braga (TUB), alertou ainda que “a mobilidade não é só para o IPCA, mas para toda a população”. E a presidente exemplificou: “se houvesse mobilidade mais rápida entre Braga e Barcelos, muitas mais pessoas vinham ao Theatro Circo”.

Actualmente, o IPCA transporta mais de três mil alunos entre Barcelos, Braga e Guimarães. “O IPCA contratualizou um serviço que leva os nossos alunos diariamente das 8.20 às 23 horas e passa pelo campus, pela central de camionagem e pelo E-Leclerc”, contou a presidente, defendendo que “não faz sentido ser a instituição a suportar essa despesa”.

Os presidentes de câmara, continuou aquela responsável, “estão sensibilizados para esta necessidade, mas tem de haver naturalmente é condições para que isso aconteça. Mas acho que é uma realidade que terá mesmo que acontecer. E quando isso acontecer vai ser positivo para as populações dos quatro concelhos”.

A acompanhar a convidada do ‘Pequeno Almoço com…’ estavam o presidente do Conselho de Administração dos TUB e vice- presidente da Câmara Municipal de Braga, Firmino Marques, e os administradores, Teotónio dos Santos e Sandra Cerqueira.

Firmino Marques assumiu que a mobilidade no quadrilátero “é um problema” e o IPCA “é vítima” da falta de uma rede de transportes entre os quatro municípios. “É a instituição que tem de encontrar soluções de transporte para os alunos e tem de se encontrar uma solução para esse déficit de transporte”, apelou o vice-presidente da autarquia bracarense, destacando o facto do IPCA ser um verdadeiro instituto de emprego, onde a formação tem emprego garantido e são as próprias empresas a procurar os futuros profissionais no IPCA”.

O IPCA celebrou contratos com uma empresa de transportes, disponibilizando
soluções de deslocação entre a cidade de Barcelos e o campus do IPCA e entre Braga e Guimarães e o campus do IPCA.

A instituição oferece ainda transporte regular entre a estação de caminhos de ferro e o campus do IPCA.

Para “cursos curtos”

Criação de polo em Famalicão está em “negociações”

Chegar a Esposende e a Vila Nova de Famalicão são pretensões do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA). Além de Barcelos, onde tem o seu campus, o IPCA já está instalado em Braga e Guimarães, faltando apenas Vila Nova de Famalicão para cobrir todo o Quadrilátero Urbano.

“Em Esposende já temos um conjunto de actividades programadas para este ano, como por exemplo, conferências internacionais e a Escola de Verão, com a participação de professores estrangeiros”, anunciou a presidente da instituição, Maria José Fernandes.

Em relação a Vila Nova de Famalicão, a ideia é criar naquele concelho um polo da instituição, onde serão ministrados cursos técnicos superiores profissionais, os chamados “cursos curtos”. Trata-se de cursos com a duração de dois anos, que incluem um estágio de seis meses.

Como é um concelho muito industrializado, o objectivo é responder às necessidades das empresas ali localizadas, muitas delas com dificuldades em encontrar mão-de-obra especializada”, justificou Maria José Fernandes, informando que está a negociar com o presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha. “Já reunimos uma vez e 2018 será o ano de alguma afirmação e definição clara. Queremos ir para Vila Nova de Famalicão, mas também temos de ter condições financeiras para o fazer”, admitiu.

in Correio do Minho, 25 de janeiro de 2018, #TUB #TUBraga #Braga#Mobilidade #Sustentável #IPCA #RecortesDeImprensa