“A mudança é inevitável mas é preciso envolver as pessoas”

““MUDAM-SE OS TEMPOS, MUDAM-SE AS VONTADES” já escreveu Luís de Camões, citado ontem pela investigadora que trouxe o tema da mudança nas organizações ao ‘Pequeno almoço com…’ retomado pelos Transportes Urbanos de Braga.”

“A mudança nas empresas e nas organizações “é quase inevitável”, mas “difícil” de implementar, sendo fundamental envolver as pessoas em todo o processo, defendeu a investigadora da Escola de Economia e Gestão (EEG) da Universidade do Minho (UMinho), Ana Carvalho, à mesa do ‘Pequeno Almoço com…’ iniciativa retomada ontem pelos Transportes Urbanos de Braga (TUB).

A ‘gestão da inovação e a gestão da mudança organizacional’ foram os temas abordados pela coordenadora do projecto ‘EEGenerating Skills’ que há cerca de 20 anos estuda a mudança organizacional nas empresas nacionais e estrangeiras.

Ana Carvalho considera que é preciso “olhar para a mudança como um processo interactivo que vai sendo construido com toda a gente”.

Antes de avançar com o processo, “é importante explicar às pessoas porque é que é preciso mudar e para onde é preciso mudar” afirma a docente da UMinho, que admite que “é muito comum ver como óbvia a necessidade de mudança, mas quem está no terreno não tem essa perspectiva”.

Ana Carvalho refere-se mesmo à “armadilha do sucesso” para explicar que quem trabalha e vê sucesso, não vê necessidade de mudar.

Para a investigadora da EEG, a comunicação é preponderante. “É preciso comunicar, explicar bem às pessoas o que se pretende delas, capacitá-las, fazer com que se sintam capazes e tenham as competências, os meios e as ferramentas necessárias” para participar na mudança.

A formação é um dos caminhos, mas também a partilha por parte de pessoas que já passaram pelo mesmo processo de mudança, sustenta Ana Carvalho, que realça a importância das pessoas “contribuirem com as suas ideias e experiências, o que, muitas vezes, passa por trazerem as suas preocupações”.

Outra vertente passa por mostrar às pessoas os sucessos que estão a ocorrer em resultado do seu esforço, aponta a investigadora da UMinho.

Em qualquer processo de mudança, os vectores-chaves são a clareza; a confiança mútua; a boa-fé e diálogo.

Mas “cada caso é um caso, por isso é que é tão difícl gerir a mudança” assume Ana Carvalho, para quem “o que é importante é conhecer as pessoas que se tem, ter uma visão clara da empresa, do seu meio envolvente , em termos de negócio e tomar as decisões certas em relação a isso e adaptar toda a mudança”.”

“TUB têm a mudança e a inovação na ordem do dia”

“O pequeno-almoço com Ana Carvalho abordou temáticas que estão na ordem do dia no seio da empresa municipal de Transportes Urbanos de Braga (TUB).

Questionado sobre a participação no processo de mudança que a transportadora municipal tem vindo a implementar, sob a égide da actual administração, o administrador Teotónio dos Santos afirma que “cada vez mais as pessoas são encorajadas a assumir a gestão de processos e esses processos têm vindo a ser conduzidos, quase na totalidade, pelos técnicos”.

O administrador exemplifica com as reuniões de coordenação que “são participadas pelos chefes, pelos chefes intermédios e que juntam mais de 30 pessoas que gerem processos e participam na gestão do dia-a-dia”.

A comunicação interna e externa também tem sido objecto de atenção. Entre outras medidas, foi criado o TUB Jornal, uma publicação interna, de periodicidade bimestral, que fomenta a participação e a partilha da informação sobre todos os projectos que estão a decorrer na empresa, explica o administrador.

Ainda a nível de interno, a comunicação via email dá conta das situações que vão ocorrendo. “Temos vindo a envolver e a comunicar com as pessoas, sem colocar de parte ninguém” garante Teotónio dos Santos.

E a mudança não pára, assegura o administrador que reforça a necessidade de renovar a frota, lembrando que já foi fechado o concurso para a aquisição de autocarros eléctricos, que abre o caminho da ansiada mudança para a mobilidade eléctrica, e antecipa que estão a ser preparadas outras iniciativas.”

in Correio do Minho, 06/07/2017 #TUB #recortesdeimprensa #mobilidade #sustentável