“Porto de mar de Viana trabalha a meio gás”

“COM CAPACIDADE para o dobro, o porto de mar de Viana movimenta actualmente meio milhão de toneladas de mercadorias por ano. Acesso directo à A28 e afundamento do canal de navegação vão permitir rentabilizar infra-estrutura portuária.”

“O porto de mar de Viana do Castelo movimenta actualmente meio milhão de toneladas de mercadorias por ano, o que corresponde a menos de metade da sua capacidade. Como rentabilizar esta estrutura portuária vai ser definido logo que esteja concluído o estudo que a APDL está a realizar para estabelecer uma estratégia conjunta para os portos de Leixões, Douro e Viana.

O presidente do Conselho de Administração da APDL — Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo SA foi o convidado de ontem de mais uma edição de ‘Pequenoalmoço com…’, dinamizado pelos TUB. Emilio Brogueira Dias dedicou grande parte da sua intervenção ao porto de Leixões, que é actualmente o porto que mais contribui para a economia nacional (35% das exportações nacionais saem dali), mas falou também sobre o porto minhoto localizado em Viana.

O responsável lembrou que Viana já movimentou mais de um milhão de toneladas por ano, estando actualmente a metade da capacidade.

Logo à partida, a definição de uma estratégia conjunta para os três portos de mar do Norte do país vai contribuir para rentabilizar o investimento já concretizado em Viana do Castelo. Porém, Viana só terá possibilidades de crescer quando se concretizarem investimentos previstos que implicam o financiamento de vários milhões de euros.

Um dos investimentos vitais é a concretização da ligação do porto, desde Darque, até ao nó de Neiva da auto-estrada A28 . Brogueira Dias lembrou que o acesso ao porto de Viana se faz actualmente pelo meio da cidade, havendo inclusive zonas onde os camiões só podem circular de noite e em partes do percurso “os pesados precisam mesmo de circular em marcha atrás porque não conseguem dar a volta nas rotundas”.

O projecto para os oito quilómetros de acesso directo à A28 está aprovado e deve ser uma realidade “dentro de um a dois anos”, recorda o responsável.

Quinze milhões de euros é o valor de outro grande investimento vital para rentabilizar o porto de Viana: rebaixar os fundos do porto que actualmente estão a três metros. “É necessário passar para o dobro”, explicou, realçando que essa é também uma necessidade para dar resposta à actividade crescente dos estaleiros navais que reavivaram, com a Martifer a manifestar o desejo de avançar para a construção de navios maiores.

Em síntese, a rentabilização do porto de mar será conseguida através de uma estratégia conjunta com Leixões e o Douro, com as construção do acesso rodoviário directo à auto-estrada e com a duplicação da fundura do porto para seis metros.

O responsável considera que as indústrias próximas do porto de Viana são fundamentais para rentabilizar o equipamento que pode também assumir um papel complementar ao porto de Leixões que actualmente está a rebentar pelas costuras.

Por Leixões passam actualmente 2700 navios por ano, com 18 milhões de toneladas de mercadoria.”

in Correio do Minho, 09/03/2017