Arquivo da Categoria: Recortes de imprensa

“Concurso municipal desafia participantes a fotografar o Bom Jesus”

“‘O Bom Jesus do Monte – Património Mundial da Humanidade’ é o tema do XVI Concurso Municipal de Fotografia que se realiza nos próximos dias 13, 14 e 15 de Dezembro.

Organizado pelo Município de Braga, o Concurso Municipal de Fotografia conta com cerca de 50 inscritos que são desafiados a fotografar o Bom Jesus do Monte.

O concurso conta com o apoio dos Transportes Urbanos de Braga (TUB) e da Confraria do Bom Jesus que irão assegurar o transporte dos concorrentes, quer de autocarro, quer de funicular.

Recorde-se que o concurso incluirá a habitual exposição pública, a inaugurar em Fevereiro do próximo ano na Fonte do Ídolo, e na qual estarão patentes os trabalhos premiados pelo júri, bem como uma fotografia de cada um dos concorrentes, nos termos do regulamento do concurso.

O tema proposto da edição deste ano do Concurso Municipal de Fotografia visa reconhecer e homenagear a atribuição do Santuário do Bom Jesus do Monte a Património Cultural Mundial da UNESCO, bem como estimular o interesse, a sensibilidade dos concorrentes em particular e dos turistas e cidadãos em geral, no que respeita ao seu valor histórico, artístico, cultural, religioso e paisagístico.”

in Correio do Minho, 11/12/2019 #recortesdeimprensa #TUB #mobilidade #sustentavel

“GESTÃO DE ESTACIONAMENTO À SUPERFÍCIE PASSA A SER GERIDO PELOS TUB”

“Estacionamentos Urbanos de Braga”

“Os Transportes Urbanos de Braga começaram a gerir o estacionamento à superfície na cidade de Braga, inaugurando desta forma uma nova área de negócio. Teotónio Santos, Administrador dos TUB, explica como foi possível avançar para esta área de negócio. “Fizemos um estudo de viabilidade económico-financeira e chegámos à conclusão que podemos baixar o valor da taxa, prestando melhor serviço às pessoas e, ao mesmo tempo aproveitar esse valor para financiar os Transportes Urbanos de Braga. São cerca de 1800 lugares, em 44 ruas. Todo o trabalho de colocação de parcómetros e sinalética já foram feitos, estando em funcionamento desde dia 2. Em comparação com a ESSE, estamos a falar de uma redução de 2600 lugares para 1800. A tarifa, para já, será de valor único de 80 cêntimos por hora. Neste momento, temos uma equipa de cinco pessoas para procederem à fiscalização e prevemos que, no próximo ano, admitiremos mais. Entre nove a 10 pessoas”, explicou no dia da apresentação da loja, situada no Campo da Vinha, esclarecendo depois que “este espaço físico serve para a gestão dos Estacionamentos de Braga, para pedir avenças ou apresentar reclamações, assim como ponto de apoio aos colaboradores. Se um utilizador for notificado por falta de pagamento, poderá pagar aqui na loja – o valor total de um dia de estacionamento, que são 8 euros. O que nós fazemos é um aviso de pagamento, não passamos multas. Se não pagar, será emitida uma contra ordenação pela Câmara Municipal”.
A inovação tecnológica, permitindo novos métodos de pagamento, foi uma das necessidades identificadas neste processo. “Introduzimos a Via Verde, para simplificar os pagamentos. Basta descarregar a App no telemóvel para proceder ao pagamento. Paralelamente, estamos a agilizar a questão das avenças, um processo de simplificação interna para dar uma resposta mais célere. Outra das inovações é a possibilidade dos comerciantes oferecerem tempo de estacionamento aos seus clientes, através de uma parceria que estabelecemos com um parceiro tecnológico. Esta possibilidade foi-nos sugerida pela Associação Comercial de Braga. Estimamos cerca de 600 mil euros de receitas. Esse valor será reinvestido na melhoria dos transportes urbanos da cidade”, afirmou o responsável.
Para Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, este era um investimento necessário. “O problema do estacionamento na cidade de Braga não se resume à gestão dos lugares. Nem sempre a postura dos cidadãos vai de encontro à sã convivência com os demais, existindo alguns abusos que nos ‘obrigaram’ a tomar medidas físicas, como os pilaretes, ou o reforço da polícia municipal. No caso concreto do estacionamento pago, é visto por nós como um instrumento de ordenamento e de apoio à dinamização económica. Por isso, deve ser eficiente”, defendeu o autarca, acrescentando que “a delegação deste trabalho nos Transportes Urbanos de Braga vai de encontro a essa necessidade de eficiência”.
A renovação da frota dos TUB é um objetivo que está a ser conseguido, depois de anos de vários anos de prejuízos. “Eu recordo que, até há seis anos atrás, os TUB não tinha resultados positivos, foram acumulando resultados negativos, o que impedia a renovação da frota. Além disso, ainda não há, hoje, verdadeiros incentivos nacionais para essa finalidade, razão pela qual esta receita será muito importante. Mesmo com a renovação de 30% da frota, ainda está bastante envelhecida”, refere o autarca.
Os Estacionamentos Urbanos de Braga dispõem também de novo site (www.eub.pt) onde constam todas as informações, indica as ruas onde se paga estacionamento e até dá para ver os parcómetros disponíveis.”

in Revista SIM, #recortesdeimprensa #TUB #EUB #Braga #mobilidade

“Parquímetros 20 cêntimos/hora mais baratos a partir de hoje”

“O ESTACIONAMENTO pago à superfície em Braga custa menos 20 cêntimos/hora a partir de hoje. Os Transportes Urbanos de Braga, que passam a fazer a fiscalização, esperam arrecadar 500 mil euros/ano.”

“O estacionamento pago à superfície em Braga vai custar menos 20 cêntimos por hora a partir de hoje, esperando os Transportes Urbanos de Braga (TUB) arrecadar cerca de 500 mil euros anuais com a receita dos parquímetros.

Segundo o que a autarquia anunciou em Novembro, a taxa de estacionamento foi reduzida de um euro para 80 cêntimos por hora e os lugares pagos vão passar a ser 1.800, ao contrário dos 2.600 vigentes durante o período em que a cobrança e vigilância dos parquímetros estavam entregues à ESSE.

A redução do preço resulta da decisão de devolver “à esfera municipal a gestão do estacionamento à superfície dentro da cidade”, com a fiscalização dos parquímetros a ser feita a partir de hoje pelos EUB – Estacionamentos Urbanos de Braga.

Dentro desta “nova área de actuação” dos TUB, empresa municipal de transporte para a qual reverterá toda a receita daquele serviço, está ainda a ser desenvolvido um “sistema de pagamento mais simplificado” das tarifas, através da aplicação Via Verde.

A autarquia bracarense fez ainda saber que a política de preços a praticar irá beneficiar a mobilidade eléctrica.

Com a nova regulamentação, cada estacionamento terá a duração máxima de duas horas, mas a Câmara Municipal de Braga garante que está já a “avançar com a modernização do processo de digitalização de forma a agilizar a gestão das avenças de moradores, com comerciantes e viaturas eléctricas”, sendo ainda permitido aos comerciantes de rua oferecer descontos aos clientes.

Refira-se que os EUB dispõem também de novo ‘site’ (www.eub.pt) no qual constam todas as informações relativas ao estacionamento pago à superfície na cidade e onde será possível pedir avenças e regularizar a situações de incumprimento. “

in Correio do Minho, 02/12/2019 #recortesdeimprensa #EUB #TUB

“Parquímetros mais baratos 20 cêntimos por hora”

“O estacionamento pago à superfície em Braga vai custar menos 20 cêntimos por hora a partir de hoje, esperando os Transportes Urbanos de Braga (TUB) arrecadar cerca de 500 mil euros anuais com a receita dos parquímetros.
Segundo o que a autarquia anunciou em novembro, a taxa de estacionamento foi reduzida de um euro para 80 cêntimos por hora e os lugares pagos vão passar a ser 1800, ao contrário dos 2600 vigentes durante o período em que a cobrança e vigilância dos parquímetros estavam entregues à ESSE.
A redução do preço resulta da decisão de devolver «à esfera municipal a gestão do estacionamento à superfície dentro da cidade», com a fiscalização dos parquímetros a ser feita a partir de hoje pelos EUB – Estacionamentos Urbanos de Braga.
Dentro desta «nova área de atuação» dos TUB, empresa municipal de transporte para a qual reverterá toda a receita daquele serviço, está ainda a ser desenvolvido um «sistema de pagamento mais simplificado» das tarifas, através da aplicação Via Verde.
A autarquia fez saber que a política de preços a praticar irá beneficiar a mobilidade elétrica.
Com a nova regulamentação, cada estacionamento terá a duração máxima de duas horas, mas a autarquia garante que está a «avançar com a modernização do processo de digitalização de forma a agilizar a gestão das avenças de moradores, com comerciantes e viaturas elétricas», sendo ainda permitido aos comerciantes de rua oferecer descontos aos clientes.
Os EUB dispõem também de novo ‘site’ (www. eub.pt) no qual constam as informações relativas ao estacionamento pago à superfície na cidade e onde será possível pedir avenças e regularizar a situações de incumprimento.”

in Diário do Minho, 02/12/2019 #recortesdeimprensa #EUB #TUB

Kiss & Go visa garantir o acesso de 50 automóveis em cada 10 minutos

O Kiss & Go é outro dos projetos implementados pelo Município de Braga com o objetivo de melhorar a segurança, acesso e mobilidade às zonas escolares.

A iniciativa, nasce de um conceito internacional adoptado por várias cidades com impacto positivo, que consiste na reserva de lugares de paragem destinados unicamente à tomada e largada de crianças. Os automóveis devem parar apenas durante um minuto, estimando-se que neste período de tempo, as crianças saiam do automóvel com as mochilas, sem que o condutor desligue o motor, de maneira a que fique assim assegurada a reserva do lugar para o veículo seguinte.

Estes lugares estão devidamente sinalizados e pintados de azul para que surtam maior efeito nos automobilistas e seja bem perceptível a sua função.

Por cada cinco lugares demarcados, cumprindo-se o tempo estipulado de um minuto, garante-se o acesso a cerca de 50 automóveis em cada 10 minutos aumentando o fluxo de trânsito e a segurança rodoviária junto das escolas.

«No que respeita ao “Kiss &Go” tenho que admitir que temos dificuldades de recursos para andar permanentemente a vigiar e a contra-ordenar todos aqueles que prevaricam, mas sublinho que o grande problema aqui é o comportamento cívico das pessoas», sustenta Miguel Bandeira.

Também o vereador da Gestão e Conservação do Espaço Público. João Rodrigues considera que «o Kiss &Go poderia funcionar melhor, mas têm que ser cumpridas regras, a par de mais fiscalização e de uma mudança de comportamento das pessoas».

Os vereadores Miguel Bandeira e João Rodrigues apontam os projetos School Bus e Kiss &Go como sendo mais um esforço no sentido de resolver o caótico trânsito no perímetro que circunda as escolas e uma forma de privilegiar o público escolar, que ambos consideram ser «o foco transformador para a necessária mudança na mobilidade e no trânsito».

Em articulação com estas medidas e tendo como objetivo este mesmo público, também os TUB têm em processo, desde 2015, uma campanha designada “Transportes e Cidadania”, uma iniciativa voltada para a mobilidade sustentável junto dos mais jovens, que implica todo um plano e formação destinado às escolas, que visa sensibilizar para a utilização dos transportes públicos e incutir boas práticas de segurança.

«Notamos que esta é uma campanha que leva o seu tempo, pois é uma questão de formação, de educação para a mobilidade e de implementação de novos hábitos, mas o facto é que já temos resultados positivos, que se traduzem em mais clientes», avançou o administrador dos TUB, Teotónio dos Santos.

Semana da Mobilidade incentivou “caminhar e pedalar em segurança”

“Caminhar e Pedalar em Segurança” foi o tema da Semana Europeia da Mobilidade (SEM), iniciativa quer decorreu no mês de setembro, e à qual o Município de Braga se associou mais uma vez com realização de um conjunto de atividades tendo em vista sensibilizar os cidadãos para a mudança de comportamentos no que se refere às opções de mobilidade.

Miguel Bandeira realça que o foco, além das intervenções físicas em curso, se encontra na promoção de uma consciência para a adoção de novos modos de mobilidade e para o aumento da segurança rodoviária.

«Ao contrário do que alguns possam pensar, esta não foi a semana da mudança, mas sim um período de sensibilização que temos vindo a fazer todos os anos com crescente sucesso, e cada vez com mais adesão de atores e protagonistas, desde os TUB às escolas, à vereação da Educação, à vereação da Mobilidade, as forças de segurança e as associações e autarquias. Nós sabemos que é através destas ações de sensibilização que vamos tornando certas práticas, como por exemplo o encerramento de ruas, como uma prática que mais anos menos anos necessariamente terá que ser uma realidade», afirmou, apontando o papel determinante da ACAPO e da Associação Braga Ciclável, enquanto interlocutoras.

Em jeito de conclusão, Miguel Bandeira alerta, porém, que «não é preciso não cair em fundamentalismos, pois é óbvio que o carro tem que continuar».

«Só não pode circular com os índices de expectativa que muita gente pretende. Não é possível que cada casa do centro histórico tenha uma garagem automóvel e muitos operadores insistem muitas vezes numa necessidade que é uma cidade que vai à revelia dos nosso tempos e não está a contribuir para aquela em que todos temos que participar. Estamos construir o futuro, mas nunca há conclusão. Esta é uma matéria infindável», afirmou.

Parte deste texto foi já publicada na edição de setembro da revista “Minha”

Projetos School Bus e Kiss & Go “Salvam” trânsito junto às escolas

Este ano letivo 2019/2020 o Município de Braga, em parceria com os TUB voltam a promover o projeto “School Bus”, que visa reduzir o congestionamento automóvel no perímetro das escolas da malha urbana da cidade.

Implementado no ano lectivo transacto, o School Bus visa ainda a promoção da mobilidade sustentável, da segurança e da qualidade de vida na envolvente das escolas e nos percursos casa-escola, incentivando ao uso de meios de transporte mais sustentáveis.

Este ano o projeto abrange os seguintes estabelecimentos de ensino: EB 2,3 Francisco Sanches; EB 2, 3 André Soares; Colégio Leonardo da Vinci, Colégio D. Diogo de Sousa, Colégio Teresiano, Conservatório de Música Calouste Gulbenkian.

A ligação a estas escolas é feita a partir das quatro principais entradas de Braga, com interfaces na Av. Robert Smith ( junto ao ‘Minho Center’), em Maximinos (junto ao ‘Continente Bom Dia’), na Variante do Fojo ( junto à ‘Montalegrense’) e junto ao Estádio Municipal.

De cada interface saem autocarros em dois horários: 07h45 (com destino às Escolas André Soares, Francisco Sanches e Conservatório Calouste Gulbenkian) e 08h20 (com destino ao Colégio Leonardo Da Vinci, Colégio D. Diogo de Sousa e Colégio Teresiano).

A utilização deste serviço está sujeita a inscrição prévia, que deve ser efetuada através do seguinte endereço: https:// schoolbus.tub.pt/

Mais de 400 alunos transportados

No ano lectivo anterior, o ‘School Bus’ teve a adesão de mais de 400 alunos. Do ponto de vista ambiental, o projecto conseguiu retirar cerca de 170 veículos das imediações das escolas, representando uma poupança diária calculada de 14 km por cada veículo. Em termos de emissões, a poupança ascendeu a cerca de 165 toneladas de CO2/ano lectivo.

«Neste momento aponta-se para a capacidade do School Bus acolher quase 450 crianças e jovens. Mantêm-se as mesmas zonas. Mas é importante não confundir: o School Bus não é um dispositivo para substituir o transporte escolar, que tem uma dimensão social inalienável e que nós apoiamos e empenhamo-nos de um modo muito firme e veemente», esclareceu o vereador Miguel Bandeira, justificando que «o School Bus foi criado para impedir os chamados “pontos negros” de congestionamentos e tráfico provocados pela recolha e pela largada das crianças pelos pais que os transportavam em automóveis, formando terceiras e quartas filas e criando congestionamento de trânsito nas horas de ponta».

O serviço foi avaliado pelas famílias como “muito bom/excelente” e as próprias escolas vêem com agrado a iniciativa, realçando o seu carácter educativo na criação de hábitos de mobilidade e comportamentais.

Cerca de 98 por cento das famílias inquiridas afirmaram mesmo a intenção de utilizar o projecto “School Bus” no ano lectivo seguinte, salientando o importante auxílio do serviço nas suas rotinas diárias e no cumprimento dos horários familiares.

«Nós estamos em condição de poder atingir, no final deste ano (só depois é que avaliaremos) 374 veículos retirados da via pública sobretudo com as implicações que eles têm, também indiretas, ao nível do congestionamento de trânsito em Braga», esclareceu Miguel Bandeira, adiantando que, sendo o School Bus um dos projectos inseridos no BUILD – Laboratórios Urbanos para a Descarbonização, financiado pelo Fundo Ambiental, a Câmara Municipal de Braga está obrigada à apresentação de resultados em termos de descarbonização, dando resposta aos requisitos da União Europeia, que tem sistemas de observação cada vez mais rigorosos a esse nível.

Gestão do estacionamento deve traduzir-se em apoio à mobilidade sustentável

Durante a apresentação da nova área de negócios dos TUB, o presidente da Câmara de Braga Ricardo Rio vincou que a atribuição desta valência aos TUB tem um alcance bem maior, que se prende com a sustentabilidade ambiental e a promoção da mobilidade urbana. Segundo o edil o objetivo é que« a gestão do estacionamento seja um mecanismo de apoio à mobilidade e a melhores serviços de transporte».

A propósito dos entraves que as dificuldades de estacionamento representam para a mobilidade, Teotónio dos Santos afirmou, em entrevista, que o transporte individual está estacionado 90% do tempo e o transporte comercial 60%.

O administrador dos TUB afirmou que o estacionamento em segunda fila penaliza fortemente a circulação e a velocidade comercial dos autocarros, adiantando ainda que os estudos demonstram que a dificuldade de aparcamento à superfície faz com que os condutores particulares façam diariamente uma média de 4,5 kms à procura de estacionamento na cidade, o que causa ainda mais constrangimentos à circulação, dificultando sobremaneira o acesso ao centro urbano.

«Admitimos que a cidade cresceu orientada para o transporte individual, como comprova, desde logo, a construção de milhares de lugares de estacionamento em parques no centro. O transporte individual desloca- -se no sentido do centro para estacionar, criando mais congestionamento», avançou.

A circulação dos autocarros dos TUB é por isso mais dificultada em alguns troços, desde logo aqueles que estão diretamente relacionados com o crescimento da cidade, havendo zonas nevrálgicas que são apontadas pelos motoristas como fonte de “dores de cabeça”, “stress” e eventuais atrasos nos transportes coletivos bracarenses.

«Quem quer aceder a Norte, a partir da Senhora-a-Branca ou da Avenida Central tem duas alternativas: ou vai pela rua de Santa Margarida, e vai esbarrar na congestionada Rotunda de Infias, ou vai subir a Rua dos Chãos, que sofre um estrangulamento do trânsito a Norte, fruto do deficiente urbanismo na zona do Largo dos Penedos. Em particular este último percurso é muito percorrido pelos autocarros dos TUB. A estes “pontos negros” para nós juntam-se outros, como a Avenida Padre Júlio Fragata, a zona junto à Universidade do Minho, sobretudo, nas horas de ponta, ou a zona do Colégio João Paulo II, em Dume, nos horários de entrada e saída dos alunos», exemplificou Teotónio dos Santos, adiantando que os TUB têm vindo, a analisar estes troços mais complicados em articulação com o Município, apresentando um conjunto de soluções que serão aplicadas na Rotunda de Infias, a título de exemplo, bem como nas “Zonas 30”.

Segundo Teotónio dos Santos em plena hora de ponta circulam pelo concelho 111 veículos dos TUB, incluindo no centro urbano, estando sujeitos a atrasos variáveis mediante o trânsito, apesar dos horários terem sido desenhados tendo em conta a real situação do tráfego e a eventualidade de atrasos.

«Tentamos adotar formas de garantir a execução dos horários de maneira a não prejudicar os passageiros, porém em vias estruturantes quando há um carro mal estacionado ou um acidente, ou basta uma avaria, para bloquear a cidade e condicionar uma série de linhas, causando um sem número de derivações ao longo da rede, fruto de uma situação, por vezes mínima, naquele troço», expôs o administrador.

Teotónio dos Santos lembra que a necessidade de acesso ao centro de Braga tem também aumentado fruto do crescimento da economia e do fenómeno da imigração, congestionando cada vez mais o trânsito e levando a empresa municipal a enveredar por uma campanha de transição para o transporte público coletivo e de captação de clientes, que se traduziu no aumento de 17% de passageiros desde 2013.

«E continuamos a melhorar as nossas linhas e a investir na oferta para tentar captar mais pessoas, evitando a utilização do transporte individual. Só no final deste ano teremos mais quase dois milhões de clientes do que tínhamos há seis anos atrás, fruto da melhoria de oferta, do congelamento dos tarifários e inclusivamente da redução que houve este ano», revelou.

Segundo o administrador, até ao final de 2020 Braga terá 32 autocarros novos, sete dos quais chegarão logo em inícios de 2020, aguardando-se que ao longo do ano a eles se juntem outros.

Braga reorganiza estacionamento e aposta em transportes coletivos e ecológicos

A estratégia de combate ao trânsito desordenado em Braga passa pela reorganização do estacionamento. Apostado em impôr ordem nos parqueamentos, o Município entregou aos Transportes Urbanos de Braga (TUB) a gestão do estacionamento pago à superfície.

O objetivo é matar dois coelhos de uma cajadada, reinvestindo a receita na renovação da frota dos TUB e incentivando os transportes ecológicos.

O s Estacionamentos Urbanos de Braga (EUB) assumem, em dezembro a gestão do estacionamento de superfície em Braga, passando a fiscalizar um total de 1800 lugares de estacionamento pagos, em 44 ruas.

A nova área de atuação dos TUB permitirá não apenas libertar a Polícia Municipal de Braga para outras solicitações, mas sobretudo traduzir-se-á no aumento das receitas dos TUB, permitindo arrecadar 500 a 600 mil euros por ano, que serão investidos na melhoria dos serviços de transportes públicos, numa lógica que o Município de Braga pretende que seja de incentivo à mobilidade urbana sustentável. Para estacionar nos espaços concessionados pelos EUB os bracarenses vão passar a pagar uma tarifa de 80 cêntimos por hora, o que representa uma diminuição de 20 cêntimos face à anterior concessão, da responsabilidade da ESSE.

A mudança será ainda sustentada por outras novidades, como a abertura de um novo espaço da empresa, na Praça Conde de Agrolongo, que foi apresentado esta semana, e pela simplificação do sistema de pagamento, que poderá ser efectuado através da aplicação “Via Verde” e, brevemente, por uma aplicação desenvolvida pelos EUB para o efeito.

O administrador dos TUB, Teotónio dos Santos, revelou que antes de avançar a equipa realizou todo um trabalho no terreno, que incluiu o levantamento das necessidades. Para breve está igualmente uma modernização do processo de digitalização, agilizando a gestão das avenças dos moradores, dos comerciantes e dos veículos elétricos.

De resto, o incentivo à mobilidade sustentável é um dos benefícios deste “pacote” da responsabilidade dos EUB, que mantém o valor das avenças para comerciantes e moradores, mas traz como novidade o pagamento de uma avença simbólica, de 12 euros anuais para os que se deslocam para o centro da cidade e ali pretendem estacionar uma viatura 100% elétrica.

O sistema permitirá também que os comerciantes do centro ofereçam aos seus clientes descontos no tempo de estacionamento, num incentivo à economia local.

Teotónio dos Santos lidera uma equipa motivada para a concretização de um projeto que implicou, nesta fase, a contratação de cinco pessoas.

«Pensamos que com a melhoria da gestão do estacionamento e uma maior fiscalização, aliada ao progresso da oferta do transporte público, geraremos uma mudança para melhor na fluidez do trânsito», afirmou o administrador.

“Preço da viagem em autocarro dos TUB não aumenta em 2020”

“Os Transportes Urbanos de Braga vão manter o tarifário em vigor durante o ano de 2020, uma política municipal que vai entrar no sexto ano consecutivo.
A proposta, subscrita pela administração da empresa municipal, vai ser debatida esta segunda-feira em reunião do Executivo de vereadores da Câmara.
No documento, os TUB referem que, desde 2014, se registou um aumento de 16 por cento do número de passageiros, tendo o volume de negócios crescido 12 por cento. Tal – sustentam os seus gestores – resulta da “melhoria da qualidade do serviço prestado.
A manutenção do preço enquadra-se, também, num propósito de promoção da mobilidade sustentável, da descarbonização da cidade, do aumento do número de clientes e consequente redução da utilização do transporte individual”.
Na Reunião pública do Executivo que tem lugar, pelas 09h30, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, estão , ainda, em análise, entre outros assuntos, as grandes opções do Plano e Orçamento para 2020 e Mapa de Pessoal, o Contrato-programa com os Transportes Urbanos de Braga, e alterações ao Código Regulamentar do Município de Braga.”
in O Minho, 2/10/2019 #recortesdeimprensa #TUB #mobilidade #sustentável